Ceará Centro Norte
  • Acesse sua Conta

Resenha Econômica

Terça-feira, 07 de agosto de 2018

Movimentos de alta predominam entre as principais bolsas de valores mundiais. Na Ásia, o dia foi de forte alta, enquanto os investidores iam ao mercado comprar ações que, em sua avaliação, estavam baratas após movimentos de queda recentes na região. Em meio às commodities, o cobre fechou em território positivo, refletindo as negociações trabalhistas na mina de Escondida no Chile, onde, caso não ocorra um acordo entre as partes, pode haver uma redução na oferta mundial do metal. Quanto ao petróleo, este ainda reflete a decisão dos Estados Unidos de reimpor sanções econômicas sobre o Irã, o que pode vir a reduzir a oferta global de óleo. Na Europa, em meio a preocupações em torno das relações comerciais globais, as bolsas avançaram, repercutindo balanços corporativos favoráveis de empresas do continente.

Nos Estados Unidos, o anúncio da Coreia do Sul de que pode vir a sair do acordo de comércio recém firmado com o país norte-americano se este passar a impor tarifas de importação sobre os carros exportados do país asiático não surtiu grandes efeitos negativos sobre a bolsa. Com o mercado menos sensível aos anúncios de desavenças comerciais, as bolsas acabaram encerrando o dia em território positivo, assim como os rendimentos dos títulos da dívida pública americana, os quais foram embalados pela oferta massiva de novos títulos pelo Fed (Banco Central americano). Com um noticiário menos impactante, o dólar se enfraqueceu frente outras moedas fortes e de países emergentes através de um movimento de realização de lucros.

No Brasil, apesar do avanço da bolsa no início do dia, embalada pelos resultados positivos no trimestre de empresas domésticas, o Ibovespa recuou 0,87% nesta terça-feira, refletindo rumores de que em pesquisa eleitoral divulgada amanhã o candidato à presidência da república pelo PSDB, Geraldo Alckmin, poderá aparecer prejudicado. Movimento similar aconteceu no mercado de câmbio, com o dólar, que se enfraquecia frente ao real no início do dia, se fortalecendo e encerrando cotado a R$ 3,75/US$, o que também foi reflexo das incertezas no cenário político. Esses boatos sobre a pesquisa eleitoral se estenderam aos juros, os quais encerraram o dia em alta.