Ceará Centro Norte
  • Acesse sua Conta

Resenha Econômica

Quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Resultados positivos predominam entre as principais bolsas de valores nesta quinta-feira. Na Ásia, os mercados tiveram suas perdas no dia amenizadas pelo anúncio do Ministério de Comércio da China de que irá retomar as negociações comerciais com os Estados Unidos. A busca do diálogo das duas maiores economias do mundo surtiu efeitos positivos sobre o resultado das commodities, levando o cobre e o petróleo a avançarem nesta quinta-feira. No entanto, o óleo teve sua alta contrabalanceada pela preocupação dos investidores com o um possível avanço da crise financeira da Turquia sobre demais economias emergentes e pela desaceleração da atividade na China. Na Europa, assim como na Ásia, as bolsas apresentaram ganhos em função de certo alívio na tensão predominante com o comércio global.

Nos Estados Unidos, a diminuição das preocupações em torno da crise na Turquia, depois de mais um dia de valorização da moeda do país em relação ao dólar, e o agendamento de nova rodada de negociações entre Washington e Pequim levaram os índices americanos a fecharem o pregão no positivo. A busca por maior risco nos mercados levou os rendimentos dos títulos da dívida americana a subirem e o dólar a recuar frente demais moedas, devolvendo parte da valorização dos dias anteriores.

No Brasil, apesar do cenário externo positivo, o Ibovespa apresentou queda de -0,34%. O índice da bolsa foi afetado pelo rumor de o Ministério Público pode vir a uma denúncia contra o candidato à presidência pelo PSDB, Geraldo Alckmin, o qual por ser considerado pró-mercado e reformista é bem visto pelos investidores. O desempenho negativo, no entanto, foi reduzido pelos movimentos favoráveis das commodities e das bolsas americanas no exterior. Com a diminuição do sentimento de aversão ao risco dos investidores domésticos e estrangeiros em oposição ao noticiário político doméstico, o dólar oscilou entre altas e baixas, mas acabou apresentando leve fortalecimento frente ao real, encerrando cotado a R$ 3,90/US$. Quanto aos juros, a notícia sobre o cenário eleitoral acabou levando as taxas longas a avançarem, enquanto as curtas fechavam perto dos ajustes de ontem.