Juriscred
  • Acesse sua Conta

Resenha Econômica

Sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Resultados positivos predominam na penúltima sexta-feira do mês de agosto. Na Ásia, as bolsas encerraram o dia sem direção única, depois que as negociações comerciais entre as duas maiores economias do mundo não mostraram sinais de avanço. Sobre as commodities, o metal avançou nesta sexta-feira, influenciado pelas quedas recentes do cobre e pela desvalorização do dólar frente demais moedas, o que barateia o metal para investidores que operam com outras moedas. A tom positivo se estendeu ao mercado de petróleo, o qual foi influenciado pela perspectiva de um descompasso entre a demanda e a oferta da commodity, como mencionou Jerome Powell, presidente do Banco Central americano (Fed), em seu discurso em Jackson Hole. Na Europa, o pronunciamento também ditou o rumo das bolsas da região, uma vez que Powell disse não ver um sobreaquecimento na economia americana em meio as suas defesas de uma elevação gradual dos juros no país.

Nos Estados Unidos, as palavras do dirigente do Fed foram interpretadas pelo mercado como um sinal de moderação no ritmo de elevação dos juros no país, atrelando as duas elevações que ainda se esperam para este ano à continuidade do crescimento forte do emprego e da renda. Em função disto, os investidores compraram títulos da dívida pública americana, fazendo os rendimentos caírem um pouco, além de ações, o que culminou na alta do S&P 500 e do Nasdaq. Além disso, o dólar, que vinha se fortalecendo frente demais moedas nos últimos dias, se enfraqueceu.

No Brasil, o Ibovespa aproveitou o resultado positivo das bolsas no exterior para fechar a sexta-feira com alta de 0,83%. O mercado de câmbio respondeu ao enfraquecimento do dólar frente as moedas de países emergentes e de economias desenvolvidas, fazendo com que a divisa americana encerrasse cotada a R$ 4,10/US$, uma leve valorização frente ao resultado do dia anterior. Quanto às taxas de juros, estas recuaram frente aos patamares de ontem, influenciadas pela menor aversão ao risco no exterior.