Central Sicredi Norte/Nordeste
  • Acesse sua Conta
  • Cartões
  • Cobrança

Resenha Econômica

Quinta-feira, 04 de outubro de 2018

Resultados negativos dominaram os principais mercados nesta quinta-feira. Na Ásia, as bolsas de valores acabaram encerrando o dia em baixa depois do presidente do Fed (Banco Central dos EUA) reconhecer um quadro otimista para a economia norte-americana, deixando uma perspectiva de maiores elevações de juros para o mercado. O mesmo cenário acabou gerando efeitos mistos sobre algumas commodities, como o cobre, que caiu na bolsa de Nova York, mas avançou na bolsa de Londres. Já o petróleo se firmou no terreno negativo, reflexo de um movimento de realização de lucros, dadas as altas recentes do óleo, e dos aumentos na produção da commodity na Rússia. Na Europa, a possível diminuição do ritmo gradual de elevação de juros na maior economia do mundo levou a uma onda vendedora de títulos públicos na zona do euro, trazendo as bolsas para baixo.
Nos Estados Unidos, a expectativa dos investidores quanto ao resultado do relatório de emprego (payroll) amanhã levou os mercados a caírem, enquanto os juros dos títulos da dívida pública americana atingiam máximas. O mercado acredita que o payroll amanhã mostrará uma forte alta na geração de vagas de trabalho, o que, em conjunto de outros dados recentes que corroboram o forte ímpeto de crescimento do país, deixa a perspectiva de um possível aumento no ritmo de elevação de juros pelo Fed. Neste cenário, o dólar encerrou o dia com comportamento misto frente outras moedas.
No Brasil, o Ibovespa mostrou forte variação de comportamento ao longo desta quinta-feira, repercutindo a preocupação dos investidores com o resultado do primeiro turno da eleição e a apreensão frente às últimas pesquisas de intenção de votos a serem divulgadas antes do pleito. No aguardo da divulgação da pesquisa pelo Datafolha de hoje à noite, a bolsa recuou 0,38%. Sobre o câmbio, este sentimento de apreensão se contrapôs a valorização do dólar frente moedas de países emergentes, limitando o fortalecimento da divisa americana frente ao real. Assim, o dólar se enfraqueceu, encerrando o dia cotado a R$ 3,87/US$. Os efeitos sobre as taxas de juros foram similares, tendo estas subido no início do dia, mas recuado durante a tarde, em meio a especulações quanto à pesquisa eleitoral do Datafolha.